ANUNCIE AQUI!
30/06/2015

30 anos depois…

                                                                Leia também: Pré-temporada: Câmara de Tupã ainda não entrou em campo

Continue lendo esta notícia
Postado por: jota Categorias: Política
26/06/2015

Secretário de Planejamento pede exoneração temendo envolvimento em irregularidades

Projeto de remodelação da Tamoios custou 10% do valor da obra, orçada em R$ 6 milhões

Tribunal de Contas quer saber onde estão os postes da Praça e as palmeiras do Parque do Atleta em Tupã. Irregularidades do passado e do presente assombram Bigeschi. O secretário de Planejamento da prefeitura de Tupã, Valentim César Bigeschi pediu exoneração nesta quinta-feira (25) e, possivelmente, a partir de terça-feira (30) não cumprirá mais expediente no Almoxarifado Municipal. É que segunda-feira (29) é feriado municipal, Dia de São Pedro, Padroeiro do Município. O motivo: está assombrado com as irregularidades do passado que estão se repetindo na atual administração. Bigeschi teme que venha ser responsabilizado em breve pelos pedidos mal feitos pelo prefeito de direito - Manoel Gaspar (PMDB) e pelo prefeito de fato - Antonio Alves de Sousa, Ribeirão (PP), como é chamado o parlamentar nos corredores do Paço e no Almoxarifado. Com direito a voz e com ordens que devem ser cumpridas Ribeirão manda e desmanda. Percebendo que a situação caminha na mesma direção de um passado recente, Bigeschi resolveu pular fora do barco. Ele bem sabe o que aconteceu na administração de Waldemir Gonçalves Lopes (PSDB) onde Jeane Rosim (Obras e Infraestrutura) e o engenheiro civil José Roberto Rasi (tio de Bigeschi) teriam sido responsabilizados pelas irregularidades de 33 obras, das quais cerca de 30 estão sob investigação de uma Comissão ...

Continue lendo esta notícia
Postado por: jota Categorias: Sem categoria
26/06/2015

CORRUPICIDAS: Gaspar e o filho são envolvidos em suspeitas de corrupção ao lado de Ribeirão

Banner afixado no corredor da super Secretaria "sob os cuidados" de Ribeirão

Procuradoria da Justiça pede a inconstitucionalidade de lei que estaria sendo usada na troca incentivo por propina.  Em meio a todo esse barulho de suposta fraude em licitação, compra de produtos de limpeza de empresa de fachada e de irregularidades no Tupã Folia 2013 e 2014, surgiram os corrupicidas. Mesmo no anonimato o “grupo” denominado corrupicidas fez uma representação na Procuradoria Geral de Justiça pedindo ação de inconstitucionalidade da Lei Complementar de nº 204 de 12 de julho de 2011 que prevê vários incentivos fiscais através do PRODETT – Programa de Desenvolvimento da Estância Turística de Tupã. Esse programa é mantido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, pasta sob a tutela do vereador Antonio Alves de Sousa, Ribeirão (PP). De acordo com a denúncia lida em sessão da Câmara a partir do protocolo datado em 16 de outubro de 2014, e ratificado através do pedido de inconstitucionalidade por meio do relator Xavier de Aquino, a legislação facultaria manobras lesivas ao patrimônio público, tanto por parte de empresários gananciosos ou até mesmo pelos agentes públicos: entre eles, o prefeito Manoel Gaspar (PMDB), o filho dele Gustavo Gaspar (PMDB) e o vereador Ribeirão. O Prodett tem como objetivos conceder estímulos e criar facilidades ao desenvolvimento industrial e comercial. Para tanto, há incentivos fiscais – concessão de ...

Continue lendo esta notícia
Postado por: jota Categorias: PolíciaPolítica
25/06/2015

É preciso parar a corrupção em Tupã

POLÍCIA FEDERAL

Com o dinheiro público alguns políticos tem levado uma vida nababesca – de luxo e ostentação. Viagens internacionais, cruzeiros na costa brasileira, cirurgias plásticas, carro e empregos públicos para as amantes. Negócios regionais frutificam através de propinas. Os detentores dessa fortuna escondida estão ou já deixaram o poder. Aqueles que ainda gozam de foro privilegiado por longa data não fazem questão de esconder os benefícios que obtém através do cargo que o povo o confiou. Outros já fora do poder ainda tiram proveito das “conquistas” que determinaram a paralisação de dezenas de obras públicas e a “falência” de várias empreiteiras. As empresas abandonaram as obras e deixaram a cidade sem dar qualquer tipo de explicação a qualquer autoridade. Uma Comissão foi instalada na Câmara que após quase três anos, apurou-se o óbvio e não conseguiu sequer ainda fechar um relatório. Até agora não há informação se o Ministério Público foi informado sobre essas irregularidades que são de domínio público e, portanto, o órgão deveria manifestar-se em defesa dos interesses dos cidadãos. Enquanto isso, as enamoradas de outrora ocupam cargos públicos ou beneficiaram-se dos concursos fraudulentos. Quem apostou na impunidade ganhou na loteria. Mais que isso, ganhou da sograda a própria casa lotérica. Quem acreditou na corrupção comprou veículo de luxo e propriedades rurais. ...

Continue lendo esta notícia
Postado por: jota Categorias: PolíciaPolítica