ANUNCIE AQUI!
18/06/2011

Garagem Câmara: G-4 usaria estrutura do Legislativo a serviço de garagistas?

Mais uma denúncia parte da rua e envolve a Câmara Municipal de Tupã. O G-4 (grupo de 4 vereadores) estaria usando a estrutura da Câmara a serviço de garagistas – Garagem Câmara.

A propósito, na Casa de Leis, há o vereador Augusto Fresneda Torres, “Ninha” (PSDB) comerciante de carros. Ele é um dos integrantes do G-4 e se beneficiaria da condição de pertencer ao grupo comandado por Antonio Alves de Sousa, “Ribeirão” (PP), Danilo Aguillar Filho (PSB) e Luiz Carlos Sanches (PTB).

Sob alegação de que teria encontro em São Paulo para tratar de assunto de interesse do município, uma possível verba de R$ 2 milhões de suposta emenda do deputado federal Cândido Vaccarrezza (PT) destinada ao Hospital São Francisco, Ninha partiu de Tupã, na tarde de quinta-feira em direção a capital paulista.

Teria levado na bagagem dois companheiros garagistas para trazer de São Paulo três veículos. A intenção era levar uma terceira pessoa. Como foram apenas em dois, é possível que o parlamentar tenha trazido na noite de sexta ou madrugada de sábado ao menos dois carros que seriam comercializados em garagens locais.

Essa não seria a primeira vez que o vereador do G-4 faria esse tipo de viagem. Na prestação de contas ele traria possíveis notas frias para justificar as diárias empenhadas do Legislativo. É até possível que o Hotel que forneceria as notas seja o mesmo de outras vezes.

Segundo as informações, sempre que o vereador Ninha vai a São Paulo a “serviço”, pernoita na casa de parentes e, com isso, ainda embolsaria o dinheiro dos munícipes.

Sem nenhum compromisso com o contribuinte tupãense, o parlamentar sequer teria escondido a viagem de negócio. Ainda pela manhã de quinta-feira, teria sido visto nas proximidades do Fórum de Tupã de posse de um dos veículos do Legislativo (Vectra ou Fusion). “Era um carro escuro”, disse um cidadão ao Blog. “Ao que parece, seria o Vectra”, complementou.

Numa outra ligação de outro ponto da cidade, outro contribuinte indignado com o caso, comentou que “o vereador tucano do G-4, teria levado com ele na viagem de negócio, dois garagistas da cidade”.

Como se nota, em questão de horas, o vereador teria sido visto por várias pessoas, das quais ao menos duas, o viram em dois pontos diferentes da cidade, coincidentemente onde existiriam as possíveis garagens de veículos usados e semi-novos.

Para comprovar que foi ao pseudo encontro com o parlamentar petista, seja em escritório político e ou na Assembléia Legislativa (AL-SP), basta passar por um dos locais e pegar um comprovante, além de notas sobre eventuais gastos.

Em muitas viagens de “interesse” do município, os vereadores usam desse expediente. Basta pegar um comprovante que esteve na AL e pronto. Ta comprovado. Assim também tentou fazer o próprio Ribeirão. Ele fez uma “viagem de turismo” e tentou se utilizar da mesma e indecente artimanha. Outra coincidência entre os dois casos, é que o encontro seria no escritório político do líder da presidente Dilma Rousseff (PT). Desse jeito Vaccarezza tem motivos de sobras para se preocupar com o “fogo amigo”.

Essa seria a terceira vez que o deputado é citado em situações claudicantes. Aliás, segundo Vaccarezza, em entrevista ao Estadão no caso de calote de campanha, “o Thiago Sousa é meu assessor”. Thiago é sobrinho do vereador Ribeirão.

Como se nota, a Câmara de Tupã, tem mesmo seus turistas e negociadores. O famigerado balcão de trocas insinuado pelo prefeito Waldemir Gonçalves Lopes (PSDB) ao que parece existe entre os Poderes Executivo e Legislativo e, entre os nobres pares da Câmara de Tupã.

A missão é quase impossível de ser desvendada pelos dois delegados aposentados que atuam na Câmara. Valdemra Manzano Moreno (PPS) e Telma Tulin (PSDB). O fato é que o Ministério Público precisa atuar urgente sob pena de ser taxado de omisso. Já a Câmara de Tupã estaria sendo omissa, prevaricando, praticando improbidade administrativa, peculato, entre outras coisas. O presidente da Câmara Luiz Carlos Sanches, eleito com apoio do G-4, também começa ficar na berlinda.