ANUNCIE AQUI!
20/09/2015

“Tráfego pesado”: prefeito de Tupã fica irritado com o erro na faixa e na foto

Ribeirão realizou “ultrapassagem” em faixa dupla com eminente risco de colisão no poste.

trânsito 4

A semana do trânsito em Tupã foi cheia de tráfego e tráfico de influência. Nenhuma novidade. Existe o governo de fato e o paralelo. O de direito é aquele que elegeu Manoel Gaspar (PMDB) com 21.001 votos e o “paralelo” é o administrado por Antônio Alves de Sousa, Ribeirão (PP).

Ele é o executivo “marginal”. Trafega paralelamente à via principal, coincidentemente no início da Semana do Trânsito. Protagonizou nos bastidores duas “ultrapassagens perigosas” e “colocou em risco” a integridade da ética, moral e dos bons costumes. Foge à regra do ordenamento jurídico.

Nos dois casos ele comemorou “escondido”, ao lado dos aliados (as) e, ainda assim, apareceu na foto. Governando interinamente enquanto o titular viaja para cumprir uma agenda de assuntos particulares no exterior, Thiago Santos, agora no PSB, sente o peso do cordão na mão do tio.

Quando não manipula diretamente a própria administração, através do prefeito e de seus filhos Gustavo Gaspar e Maria Elisa, usa toda sua influência sobre “seus” subordinados – secretários que “enfiou” na administração, – Márcia Félix (Turismo), Clóvis Saito (Desenvolvimento Econômico), Geraldo Magela (Administração), Thalita Dalacosta (Relações Institucionais) e outras dezenas de ocupantes de cargo em comissão.

Mesmo na ausência de Gaspar, e a administração sob o “controle” do sobrinho, Ribeirão mostra nos bastidores quem é mais habilidoso no tráfico de influência. Para quem foi notícia na semana anterior arrastando uma das possíveis oposições às suas pretensões políticas sob o pretexto de “União por Tupã”, o parlamentar deu uma demonstração inequívoca de quem manda nas “duas mãos” da faixa do trânsito político local.

Ele ficou bem na faixa e na foto. Por isso, a sexta-feira foi de encontros e reclamações de bastidores nos corredores da prefeitura e de Secretarias. O prefeito Thiago Santos queria explicações sobre o erro na faixa que repercutiu outra vez negativamente para a prefeitura, enquanto Ribeirão sorria com o anti-marketing do “Use sempre o Sinto de segurança”.

O CINTO E O SINTO

márcio frança 4

Na quinta-feira (17), o sisudo vice-governador do Estado, Márcio França e seu filho, o deputado estadual Caio França, ambos do PSB, estiveram em Tupã. Na sala de reuniões da prefeitura, França (pai) reclamou da crise, falou pouco sobre as reinvindicações de Tupã e se deixou fotografar por partidários e vereadores que prestigiaram o pronunciamento coletivo, entre eles, Ribeirão.

Em uma das “faixas” da foto estavam – França, Thiago e o tio. Muitos outros flashes foram disparados com outros personagens. As fotos para divulgação são na maioria das vezes feitas pela assessoria da prefeitura e, por isso, acreditava-se que houvesse um controle sobre as publicações, mas ao que parece isso fica sob influência de interesse externo.

Enquanto o prefeito em exercício Thiago Santos se preparava para conceder entrevista à TV Câmara sobre a visita do vice-governador e seu filho que à noite abonaria fichas de filiação partidária em encontro que seria realizado na Câmara Municipal.

De repente, fotos da faixa de trânsito (cinto com “S”) começaram “pipocar” nas redes sociais questionando o equívoco ortográfico. Thiago foi informado sobre o fato e imediatamente ligou para o secretário de Governo, Geraldo Magela pedindo explicações.

Magela respondeu que o assunto estava sob a responsabilidade da secretária de Relações Institucionais, Thalita Dalacosta (foto abaixo). Com um congestionamento de cobranças para cima da cabeça da moça ela teria recorrido ao seu padrinho: Ribeirão. O “esperto” parlamentar não teria pestanejado “vamos tirar proveito disso, – faz outra faixa para mostrar que foi jogada de marketing”. Assim surgiu o marketing ao avesso.

Enquanto naquele dia não se falava em outra coisa, no dia seguinte a solenidade de abertura da Semana do Trânsito foi ignorada pelo prefeito Thiago Santos e o secretário de Segurança e trânsito, José Romero Sobrinho, Riti (PT).

Thalita Dalacosta sobre a faixa - fotografando a ação da PM

Thalita Dalacosta sobre a faixa – fotografando a ação da PM

"Erro de português a gente corrige, já um erro no trânsito pode ser fatal", disse o comando da PM desvencilhando-se da polêmica

“Erro de português a gente corrige, já um erro no trânsito pode ser fatal”, disse o comando da PM

A secretária de Relações Institucionais, Thalita Dalacosta, seguindo orientações Riberianas, sequer comentou sobre o suposto sucesso do errado marketing e limitou-se a dizer que as redes sociais divulgaram a campanha.

Já o comandante da 2ª Companhia da Polícia Militar, Vander Zambelli, confirmou que não tinha nenhuma relação com o fato. “A PM pediu a faixa para a prefeitura e ela terceirizou o serviço”, dando a entender que não participou do erro de marketing da prefeitura.

A foto da discórdia

A foto…

...e a faixa da discórdia

…e a faixa da discórdia com erro de português que irritou o prefeito em exercício, Thiago Santos.

Na mesma manhã de sexta-feira, uma das colunas sociais mais lidas dos jornais de Tupã trazia a foto sobre a visita do vice-governador Márcio França, ladeado pelo prefeito em exercício, Thiago Santos e Ribeirão. Pois é, Ribeirão conseguiu tirar proveito da visita do próximo governador do Estado, assim que Geraldo Alckmin (PSDB) se desincompatibilizar para disputar a presidência da República.

Essa foto de Márcio França com Ribeirão também foi parar na conta da secretária Thalita. Indicada por Ribeirão, ela é responsável pelas ações da assessoria de imprensa do prefeito Manoel Gaspar, onde Ribeirão tem carta branca na manga.

Portanto, nos últimos dias o vereador mandou na foto, na faixa e na política local, com consentimento além mar. Do lado de cá, os passos e as falas de Thiago Santos, são respectivamente monitorados por Toninho, Gustavo e Maria Elisa Gaspar sob a direção de Ribeirão.

Leia também:

“Cemáforo” ofuscado: “Cinto” omissão e prevaricação das autoridades tupãenses