ANUNCIE AQUI!
12/06/2016

Semana da Solidariedade: coletiva pode cancelar a festa

O governo de Manoel Gaspar é “bipolar” e compartilhado – com Ribeirão e familiares.

DIVIDE CADEIRA

“A gente não tem uma meta, mas se a gente alcançar a meta a gente dobra a meta”, Dilma Rousseff (PT). “Nenhum evento vai ser realizado, mas se eu anunciar, vai ser cancelado”. Essa frase pode ser atribuída ao prefeito de Tupã Manoel Gaspar (PMDB).

E tem sido assim desde o começo desse terceiro mandato de Gaspar. “Um palestrante foi indicado pela minha filha e o outro pela Talitha. Eles são amigos delas”, disse Gaspar sobre os escolhidos para o 16º Fórum de Debates para o Desenvolvimento de Tupã. Talitha Fiorini Dalacosta é secretária de Relações Institucionais e madrinha dos filhos de Maria Elisa Gaspar, ex-secretária de Governo e Administração.

A peça Frozen que veio na Praça da Bandeira também foi escolhida para atender a vontade da madrinha dos netos de Gaspar. “Aproveita e chama os filhos do pobres para assistir também”, pensam eles.

COLETIVA

Coletivas vazias

Coletivas vazias

Assim Gaspar criou uma nova modalidade de entrevista coletiva. Quando a imprensa é convidada ou convocada como acontece em Tupã, a expectativa é de que será anunciado algo extraordinário – mas não é o que tem ocorrido. Coletiva virou sinônimo de nada. Daquilo que não vai acontecer. Não vai mais acontecer? Chama a imprensa.A última convocação foi na sexta-feira (10). A imprensa é “convidada” e o tema nunca é explicitado. “Fala que é sobre os Jogos”, ordena Gaspar à secretária de Relações Institucionais, talitha Dalacosta, que muitas vezes mesmo sem entender o que está acontecendo passa o recado pra frente.

OS CUSTOS

José Carlos Corbari, presidente da Semana da Solidariedade e Gaspar

José Carlos Corbari, presidente da Semana da Solidariedade e Gaspar – foto: arquivo Jota Neves

Imagina a cena de desperdício de tempo e de recursos públicos para nada. Secretários chegando às 10h30 da manhã. O expediente da prefeitura encerra às 13 horas. Funcionários limpando a sala de reuniões, a copeira levando café e água. A imprensa deixa de ir atrás de outros fatos. Ar condicionado e luzes ligados, fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas apostos, sala lotada de gente sem fazer nada à espera do prefeito. Gaspar abre a porta do gabinete, entra na sala de reunião e logo vem a pergunta: “prefeito e os Jogos?”. “Não vão acontecer!” Como assim, não vão acontecer?”. Culpa do Ministério Público que exigiu AVCB – Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.

E a Semana da Solidariedade vai acontecer? Ia ser realizada durante os Jogos Regionais, segundo Gaspar, mas como a competição não vai mais ser realizada não é possível afirmar se a festa vai mesmo acontecer. Se não for acontecer, Gaspar chamar a imprensa para outra coletiva.

CALENDÁRIO

procity-natal-de-luz-leva-programacao-e-brinquedos-aos-distritos-a-partir-desta-sexta-pictures-1019

No começo desse ano, também durante uma coletiva Gaspar garantiu que nenhum evento seria realizado por falta de recursos. Não ia ter Carnaval, Quinta com Arte, Tupã Junina etc.

Nas redes sociais o pessoal ironizava dizendo que o prefeito havia cancelado todos os eventos do calendário de 2016: Páscoa, Dia dos Namorados, Dia das Crianças e até o Natal. Não ia ter Natal Iluminado e a secretária Marcia Félix (Turismo) realizou. Não ia ter decoração na Tamoios e o secretário Clóvis Saito (Desenvolvimento Econômico) disse que ia ter cascata – e teve – cascata. As duas pastas são comandadas pelo vereador Ribeirão.

Gaspar disse que não ia ter Quinta com Arte e demonstrou que sua única pretensão para 2016 seria comprar uma tenda para os artesãos que participavam do evento. Nem uma coisa nem outra. Não comprou a tenda e agora tem – Arte na Praça, na quinta, mas não se chama mais Quinta com Arte. O Ribeirão indicou o novo secretário, personal trainer do prefeito.

Gaspar disse que não ia ter carnaval e teve. Ribeirão se reuniu com seu ex-assessor e decidiu: vai ter. Gaspar reuniu a imprensa em 2015, para anunciar um reajuste “X” para os servidores. Do outro lado da linha estava Ribeirão, ouvindo via telefone em viva voz a conversa entre o presidente do Sindicato e o vereador Caveira. E a imprensa esperando. Gaspar voltou atrás e o reajuste anunciado não foi dado.

É tudo ao contrário. Quando Gaspar diz que não vai acontecer, acontece e vice-versa. Gaspar e Ribeirão convocaram a imprensa para falar sobre o novo projeto da Tamoios, mas ele não saiu do papel.

Ribeirão disse que ele e o filho do prefeito, Gustavo Gaspar teriam viabilizado R$ 2,7 milhões, que o ex-prefeito Waldemir Gonçalves Lopes (PSDB) havia perdido. Cadê o dinheiro? Só o faraônico e inexequível projeto consumiu R$ 600 mil.

Gaspar convocou a imprensa pra dizer que não existe mais a Lei do Prodet. Ribeirão chorou sob olhares de empresários que foram “beneficiados”. Gaspar convocou coletiva para anunciar que a prefeitura ia fechar às 13 horas, mas que era temporário. Não será. O blog já divulgou que a medida seria adotada até dezembro de 2016 e nesse meio tempo, os secretários fariam “avaliações” para empurrar o problema até o fim de mandato.

Gaspar convocou coletiva para anunciar que os seus secretários haviam se reunido e decidido pela realização dos Jogos Regionais. Foi criada uma Comissão, um Comitê foi inaugurado e, depois, outra coletiva para anunciar que não vai ter Jogos Regionais. Mas a prefeitura havia divulgado que os jogos iriam trazer benefícios financeiros para todos? Então não era verdade? Coletiva. “Jogos Regionais trará benefícios econômicos e esportivos para Tupã”, destaca o site da prefeitura em 29 de abril.

BLEFE

Esse legado de blefes Gaspar já começou transferir para o virtual candidato do PMDB. A prefeitura convocou a imprensa informando que o prefeito iria anunciar uma bomba política. Soou como um estalo de traque.  “A prefeitura de Tupã convoca a imprensa para uma coletiva na OB [sic]”, para em seguida vir a correção – “é no escritório do presidente da OAB e não OB”.

A imprensa chegou no local e o “encanto” foi quebrado. Toninho de Favere cumprimentou o anfitrião com um “fala prefeito”. Eu imaginava que o assunto era sobre as cobranças da juíza Danielle Oliveira de Menezes Pinto Kawati. Ela tem solicitado da OAB fiscalização sobre os processos de impostos apreendidos na prefeitura sem a devida cobrança judicial, provocando prejuízo milionário aos cofres públicos. A OAB mudou de direção e até agora não agiu. Será por isso que Fuin foi o escolhido?

Depois dessa teve outra. Foi anunciado um amplo e irrestrito apoio de vários partidos ao possível candidato do PMDB. A imprensa correu para contar quantos partidos estariam com o pré candidato do prefeito e ninguém apareceu de repente surge Gaspar anunciando que a coletiva ia começar. Ele e Fuin abraçaram o vereador mais votado nas eleições de 2012, Zé Maria, tiraram uma foto e pronto. Acabou a coletiva. Só o PROS apoiou. Depois veio a informação que seria um apoio por semana. Até agora nenhum outro partido se prontificou. A imprensa prometeu não voltar mais e não cumpriu. Voltou na sexta-feira passada para ouvir Gaspar dizer mais uma vez o que não vai acontecer.

A RENÚNCIA

Gaspar conversou com a família e pretendia convocar a imprensa para anunciar a renúncia e renunciou a intenção. Ribeirão o convenceu de que não devia renunciar. O vice renunciou a ele. Ao que parece Tupã segue refém de boatos. A administração de Gaspar e Ribeirão é feita de boatos oficiais.

Quando o prefeito diz que vai ter, não vai e quando vai, não tem. E saber que tudo começou assim. Em 2012, Gaspar queria convocar coletiva para anunciar que não seria candidato a prefeito, e Ribeirão o fez desistir. Desiste de novo Gaspar!

Oito dia após inaugurar o Comitê, Gaspar cancela o evento.

Oito dia após inaugurar o Comitê, Gaspar cancela o evento. Osvaldo Cruz e Dracena disputam sediar os jogos. Tupã enganou  70 municípios e 7.500 atletas. A repercussão negativa foi estadual. Se os jogos iam ser benéficos como afirmou a prefeitura, por qual motivo deixou escapar essa oportunidade?