ANUNCIE AQUI!
23/01/2017

Advogados são acusados de fraudar documentos e se apropriarem da Fazenda Palma

Mais de 154 hectares da propriedade estão sendo disputados após a morte do ex-presidente da Corporação Evangélica Palma. A viúva denunciou na Justiça os profissionais que registraram a fazenda em nome deles. Alex e Hamilton Ramos Fernandes prestavam serviços advocatícios e de contabilidade para a Corporação Evangélica Palma.

DSC03187

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O desdobramento mais recente deste litigio aconteceu entre os dias 5 e 10 de janeiro e foi registrado na Central de Polícia Judiciária de Tupã. A atual presidente da Corporação Evangélica Palma, Eldah Lidak de Jesus Augstroze relatou ao delegado Paulo César Pardo Soares de que após a morte de seu marido João Augstroze Junior, ocorrida em 14 de março de 2015, vários documentos desconhecidos da vítima foram reconhecidos em serviços cartorários.

A briga envolve 1,540 milhão de metros quadrados de terra pertencentes à Fazenda de propriedade da entidade filantrópica com sede no distrito de Varpa. A propriedade rural fica localizada entre os municípios de Tupã e Quintana.

Segundo a denúncia, com a utilização de documentos supostamente fraudados, os advogados tupãenses Alex Aparecido Ramos Fernandez e Hamilton Donizete Ramos Fernandez teriam se apropriado de 154.92,82 (cento e cinquenta e quatro hectares, noventa e dois ares e oitenta e dois centares).

De acordo com as alegações dos advogados, a propriedade foi penhorada, pois, teria sido “dada em troca” como pagamento de honorários advocatícios e de serviços de contabilidade no valor de R$ 80 mil. Eldah contesta a afirmação: informa que a referida área é muitas vezes acima do valor eventualmente devido. O caso está sob investigação do Ministério Público Federal e de Tupã e já há processos na Justiça local.

PENHORA CONTESTADA

Foto: www.batistasletos.com.br

Foto: www.batistasletos.com.br

A Fazenda Palma sob matrícula 18.865 pertencente a Corporação Evangélica Palma conforme sentença do processo civil 389/2006 da 2ª Vara da Comarca de Tupã, teve os mais de 154 hectares localizados no município de Quintana, desmembrados e registrados sob a matrícula 11.712 no Cartório de Registro de Imóveis de Pompeia como sendo parte de um imóvel de propriedade de outra entidade.

“Foi penhorada a área pelos referidos advogados de forma errada e fraudulenta como ainda pertencente à Junta de Educação Religiosa e Publicações da Convenção Batista Brasileiro”, observou Eldah.

A atual presidente da Corporação Evangélica Palma contestou mediante perícia em documentos de contrato de prestação de serviços advocatícios que foram apresentados pelos advogados para dar origem a contenda. “Dentre vários indícios de fraude apontados nos documentos pela Corporação Palma, na assinatura de João Augstroze Junior houve somente a autenticação duvidosa da assinatura e no selo de autenticidade sinaliza fraude, conforme teria comprovado perícia anexada no processo”, disse.

CARTÓRIO DE NOTAS

Cartório

Sobre o contrato de cessão de crédito e nula a penhora, a presidente Eldah Augustroze declarou à polícia que só tomou conhecimento deste documento após verificações do processo sem o devido registro no Oficial de Registro de Títulos e Documentos. “Como uma pessoa falecida preenche ficha padrão de reconhecimento de firma após 92 dias de seu falecimento?”, questiona.

Segundo as informações, o selo de autenticidade de reconhecimento de firma da Corporação Evangélica Palma, através de João Augstroze Junior foi obtido por meio do selo de autenticidade de nº 1201AA071454 – Firma com valor Econômico.

O referido documento sob suspeita pertence ao Cartório de Notas Protesto, Letras e Títulos de Tupã, mas existiria confirmação nos autos de que o carimbo utilizado no contrato de cessão de crédito possuiria CNPJ de outro Cartório e está ilegível o ato notarial, nome do responsável pelo reconhecimento de firma e data, mas que, a etiqueta aponta para a tabeliã Dra. Claudinete Nascimento Domingues.

Sobre este assunto, existiria um processo para apurar a eventual fraude no contrato de cessão de crédito sob os cuidados da juíza Danielle Rafful Kanawaty. O contrato de prestação de serviços pelos advogados à Corporação Evangélica Palma também foi representado ao juiz Emílio Gimenez Filho, da 3ª Vara Civil.

ARRENDAMENTO “GRANDE ALDEIA”

Agora a parte da Fazenda Palma pertencente aos advogados tupãenses foi denominada de Fazenda “Grande Aldeia”. Alex e Hamilton Ramos Fernandez arrendaram a propriedade para o plantio de cana de açúcar à Usina Ibéria do Grupo Toledo e também fez um contrato particular com um produtor de amendoim, segundo o termo de declaração feito por Eldah Augstroze.

IMPRODUTIVA

www.batistasletos.com.br

Foto: www.batistasletos.com.br

Cinco dias depois do registro do termo de declaração, em 10 de janeiro, a presidente da entidade compareceu na delegacia para comunicar que no dia anterior tomou conhecimento através do Escritório Alfa de Contabilidade de que havia sido feita alteração no cadastro do INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, no dia 6 de maio de 2016, tendo como donatários os advogados Alex e Hamilton Ramos Fernandez. Eles possuem 25% da área total da Fazenda Palma.

Com área total de 621,395 hectares, a parte supostamente doada aos advogados (154 hectares), tornou-se improdutiva quando foram feitas as alterações no INCRA, no dia 28 de maio de 2015. Somente em maio do ano passado é que os advogados acrescentaram de que a propriedade é produtiva.

De acordo com a viúva, essa atualização só poderia ser efetivada pelo ex-presidente da Corporação Evangélica Palma, João Augustroze junior (in memoriam). “Até o telefone fixo da Corporação com sede em Varpa foi cadastrado no INCRA como sendo na Rua Potiguaras, 414, centro de Tupã, onde funciona o escritório de advocacia de Alex e Hamilton Ramos Hernandez”, pontuou.

OUTRO LADO

Cartório nega irregularidades

Cartório nega irregularidades

De acordo com o tabelião Hassan Taha do Cartório de Notas Protesto, Letras e Títulos de Tupã, o reconhecimento da assinatura foi feito por semelhança, já que João Augstroze era falecido à época do fato e o documento de contrato tinha data anterior ao de morte. “Neste caso, registra-se comparando a assinatura”, garantiu Taha. Sobre a eventual transferência de selo entre uma serventia e outra, o tabelião também negou a existência desta pratica.

Desde o dia 15 de junho de 2015, o Cartório possui como titular o tabelião Hassan Taha. Oriundo de Joinville (SC), assumiu logo após a demissão do tabelião interino Luís Henrique Parussulo da Silva, “Luizinho”. O ex-funcionário está sob investigação de vários órgãos públicos sob suspeita de crimes de peculato, estelionato, entre outros.

O delegado Paulo César Pardo Soares foi procurado pela reportagem, mas a Central de Polícia Judiciária informou que ele está em férias e só retorna no próximo mês. O objetivo era saber sobre o andamento da investigação.

Os advogados acusados da suposta pratica de fraude também foram procurados pelo blog, mas não houve retorno. A secretária do escritório de advocacia informou que ambos viajaram. Hamilton Donizete Ramos Fernandez estaria em Marília e só retornaria no final do dia. Já Alex Aparecido Ramos Fernandez estaria na capital paulista e só deve retornar a Tupã no fim de semana.

Termo de declaração da Corporação Evangélica Palma está sob investigação da polícia

Termo de declaração da Corporação Evangélica Palma está sob investigação da polícia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia também: GOLPE NO CARTÓRIO II: rombo é de R$ 2 milhões com escrituras sem registro