ANUNCIE AQUI!
02/02/2017

Em delação premiada, Sandra Norbiato diz que é ‘testa de ferro’ de Camarinha e Vinícius

Diário e rádiosEm delação premiada à Procuradoria Geral da República, Sandra Mara Norbiato reconheceu que participou do esquema criminoso relacionado à fraude na titularidade do grupo CMN (Central Marília Notícias) como “testa de ferro” do deputado estadual Abelardo Camarinha (PSB) e do filho dele, o ex-prefeito Vinícius Camarinha (PSB).

Em inquérito desenrolado pela Operação Miragem, que é mantido em sigilo, Sandra Norbiato diz ter sido indicada como “laranja”, assim como Marcelo Certain e Antônio Celso dos Santos, mediante remuneração, sem jamais ter participado da gestão das empresas, que, na verdade, era feita por Carlos Umberto Garrossino e José de Souza Júnior, aliados de Camarinha e Vinícius.

Ontem (1º), Sandra Norbiato esteve na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo, para participar de audiência.

Para conceder o termo de colaboração, como é denominada a delação premiada nos autos, a desembargadora federal Cecília Mello destaca que são levados em consideração elementos importantes como o fato de Sandra Norbiato não ter antecedentes penais e não ser a líder da organização criminosa.

A Justiça Federal entendeu ainda que Sandra Norbiato teria se limitado a ceder o nome dela mediante remuneração e que, por necessidades financeiras, havia sido estimulada pelo ex-marido e pai dos filhos dela Antônio Celso dos Santos a participar do esquema criminoso. Também foi levado em conta o baixo valor auferido pela colaboradora por sua participação criminosa.

Jornal e rádios fechados 

Vinícius, Lula e Camarinha

No mês passado, o Jornal Diário de Marília teve suas atividades suspensas pela Operação Miragem, com a ação denominada “5º Mandamento – Não Matarás”. Isso porque ameaça de morte teria sido registrada para atrapalhar o curso das investigações.

No final do ano passado, as emissoras de rádio Diário FM e Dirceu AM já tinham sido lacradas por registro fraudulento junto à Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Teriam sido constatados crimes como “associação criminosa”, “falsidade ideológica”, “uso de documentos falsos”, “desenvolvimento clandestino de atividade de telecomunicações”, “sonegação fiscal” e “ocultação de bens, direitos ou valores provenientes de infração penal”.

Fonte: Jornal da Manhã

Leia também: PF investiga família Camarinha, rádios e liga Marília à Lava Jato