ANUNCIE AQUI!
15/09/2017

MPF abre inquérito para apurar se prefeitura de Marília fez propaganda irregular

Caso está relacionado ao fechamento de duas emissoras pela Justiça Federal por conta de irregularidades na compra de horas na programação envolvendo a empresa da filha do prefeito. Daniel Alonso nega as irregularidades.

Por G1 Bauru e Marília

Emissoras de Marília tiveram o sinal de transmissão interrompido após ação do MPF (Foto: Reprodução/ TV TEM )

Emissoras de Marília tiveram o sinal de transmissão interrompido após ação do MPF (Foto: Reprodução/ TV TEM )

O Ministério Público Estadual abriu um inquérito civil para investigar se a prefeitura de Marília realizou propaganda irregular nas rádios Itaipu FM e Rádio Clube AM.

Segundo o MPF, o prefeito Daniel Alonso teria praticado ato de improbidade administrativa ao pagar cerca de R$ 8,5 mil para a divulgação de propagandas da prefeitura e do Daem, sendo que a filha dele, Daniele Alonso, tinha comprado grande parte dos horários de transmissão das duas rádios.

Em nota, a prefeitura de Marília disse que não existe nenhuma irregularidade nos pagamentos para as rádios, e que gastou valores irrisórios em publicidade esse ano

Existe uma lei municipal em Marília que proíbe a contratação de serviços de parentes do prefeito ou vice-prefeito. As duas rádios foram tiradas do ar no fim de semana por ordem da Justiça após o pedido do Ministério Público Federal que também investiga a compra de horários de transmissão.

Fora do ar

Segundo a ação do MPF, há indícios de irregularidades no contrato entre as rádios e a empresa Estúdio DM LTDA, que tem como proprietária Daniele Alonso.

De acordo com as investigações, em março deste ano, a filha de Alonso fechou contrato de um ano, arrendando horários de transmissão com as duas rádios. No total, foram arrendados 11 horas de transmissão, para que a empresa Estúdio D.M. LTDA fizesse a produção de programas jornalísticos e comerciais no valor de R$ 288 mil.

Fonte: G1 Bauru e Marília

Leia também: PF investiga família Camarinha, rádios e liga Marília à Lava Jato