ANUNCIE AQUI!
23/08/2018

Nobre filho: Evandro Gussi “deu o ar da graça” após cassação de Maluf

(Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)

(Foto: Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados)

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O deputado federal Evandro Gussi (PV-SP) “deu o ar da graça” na noite de ontem, dia 22, após a cassação do deputado federal Paulo Maluf  (PP-SP).

O nobre filho da terra, a quem o prudentino prometeu um projeto político de desenvolvimento regional para a Alta Paulista, pôde enfim, protagonizar mais uma previsão do blog, em 18 de agosto: Parecer de Evandro Gussi foi determinante para a cassação de Paulo Maluf.

Leia também: Parecer de Evandro Gussi pode determinar a cassação de Maluf

De fato, a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados cassou o mandato do deputado Paulo Maluf (PP-SP) nesta quarta-feira, 22. Depois de pedir bênção na casa do presidente da Câmara Federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), o corregedor da Câmara, Evandro Gussi (PV-SP), anunciou a decisão unanime dos quatro membros da Mesa que estavam presentes.

À noite, nos principais jornais televisivos, Gussi disse, “que o descumprimento de uma decisão judicial seria uma ofensa ao estado de direito, embora, houvesse o entendimento de que a decisão deveria ser levada ao plenário, mas que não cabe recursos para Maluf recorrer à Mesa agora”.

CASSAÇÃO DOMÉSTICA

Foto: Reprodução Revista Classe A

Foto: Reprodução Revista Classe A

Há pelo menos oito meses, Evandro Gussi sentiu na própria pele o significado da palavra cassação, quando “perdeu” seus direitos matrimoniais e foi colocado para fora de casa, após descoberta de suposta traição. Desde então, o parlamentar “pegou a estrada” e desapareceu de Tupã.

Hoje, segundo as informações, existiria um litígio sobre os eventuais bens da família. O deputado já disse várias vezes que não comenta sobre sua vida particular, entretanto, confidenciou a amigos que, “ainda bem que havia adquirido o meu patrimônio antes de me tornar deputado”.

O patrimônio de Evandro Gussi declarado entre 2008, quando se candidatou a vereador em Tupã era de R$ 106 mil. Já em sua posse na Câmara Federal, em 2014, declarou bens da ordem de R$ 1,5 milhão.

Gussi divulgou a declaração de Imposto de Renda, revelando que o seu patrimônio não atingia R$ 500 mil e, que desse valor, pouco mais de R$ 350 mil, eram provenientes de financiamento para obras de sua casa em Tupã.

O blog descobriu que o patrimônio da família Gussi engordou mesmo com dinheiro público, através de polpudos salários mantidos pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, por meio do gabinete do deputado estadual Reinaldo Alguz.

Entre 2008 e 2015, ele e a ex-mulher receberam mais de R$ 2,1 milhões com vencimentos em valores líquido, bruto e com encargos trabalhistas.

Leia também“BOLSA FAMÍLIA VERDE”: Patrimônio de Evandro Gussi cresceu mais de 1300%

HERDEIRO

O modus operandi da imoralidade dessa prática política já prepara um novo herdeiro. O pai “da matéria” segue aumentando a prole de “nobres filhos”. Dessa forma, pode vir aí mais um “governante da casa” ou “príncipe do lar”, vendendo frases prontas sobre família, política e fé, depois de encher os bolsos com o dinheiro do povo. É rico. Bendito seja São Tomás!