ANUNCIE AQUI!
29/05/2020

O menino que sonhava em ser político

Da brincadeira de criança com “eleição” fictícia à ascensão ao cargo de prefeito de uma das maiores cidades da Alta Paulista. Exatamente hoje (29) completa 1 ano como chefe do Executivo.

CainhoQuem nunca ouviu esta frase de que “os jovens são o futuro da nação”. A profecia acontece todos os dias sem que a gente se dê conta disso. Muitas vezes, os sinais estão numa ingênua brincadeira de criança.

A notícia sobre o fato de hoje, traz essa narrativa. São muitos os jovens com sonhos inimagináveis, mas para alcança-los é preciso muita determinação. Mais que isso, vocação.

Mas como perceber ainda durante tenra idade, que uma criança nasceu para fazer aquilo que ela demonstra interesse? Quem quando criança sonhava com política ou em ser um político, em pleno início da chegada da tecnologia no Brasil?

- Quando fui para à pré-escola queria aprender logo o alfabeto para copiar as siglas dos partidos políticos na televisão. Aos 6, 7 anos de idade, quando juntava toda a família em casa, no final de ano, eu promovia uma eleição. Meu avô era o candidato à presidência, minha avó governadora. Eram candidatos únicos, mas fazia todo mundo ir votar -, relembra o nosso personagem.

Nascido em 11 de fevereiro de 1991, a origem de seu nome vem do Latim e significa feliz e contente. Indica uma pessoa de personalidade forte, que faz tudo o que está ao seu alcance para atingir seus objetivos. Mas, que ambição política uma criança de pré-escola teria, quando a maioria da população brasileira parece ter despertado esse vigoroso interesse somente a partir de 2018, durante as eleições presidenciais?

“CABO ELEITORAL”

DeMoley

Presidiu Interact, DeMolay e Conselho de Alimentação Escolar… 

Reeleito presidente do Diretório Acadêmico da Faccat

Reeleito presidente do Diretório Acadêmico da Faccat

Aos 9 anos, o nosso entrevistado diz que trabalhou duro nas eleições para a reeleição do ex-prefeito Geraldo Borges (MDB) e, aos 13 anos, para a eleição do então prefeito e atual vice-prefeito de Arco-Íris, o tupãense José Luis da Silva (PTB).

A atuação como “cabo eleitoral” provocou até denúncia de opositores. Sem saber sobre impedimento legal de que não podia afixar santinhos em locais públicos, de repente Arco-Íris amanheceu com propaganda política nos postes da cidade. O que ninguém sabia é que a ação era perpetrada por uma criança e não por cabo eleitoral – contratado para a campanha.

“Após a separação de meus pais, eu morei com meus avós, em Arco-Íris, por dois anos. Eu nunca ganhei uma bala como cabo eleitoral mirim, foi paixão mesmo”.

Ele conta que retornou ao município de Tupã aos 11 anos de idade para continuar os estudos e começou a participar de vários grupos. Foi presidente do Interact, do DeMolay, do Conselho de Alimentação Escolar e do Parlamento Jovem (Câmara Mirim), quando começou traçar de forma efetiva sua trajetória política. Tornou-se membro do Rotaract, Conselho Estadual da Juventude do PSDB, e foi eleito e reeleito presidente do Diretório Acadêmico da Faccat.

PARLAMENTO JOVEM

...presidiu também o Parlamento Jovem

…presidiu também o Parlamento Jovem

Se elegeu vereador e teve participação decisiva na eleição da presidência da Câmara

Como vereador foi participativo

- Quando eu estava na oitava série, em 2005, aos 14 anos, me inscrevi no Programa Parlamento Jovem. O Parlamento Jovem – na Câmara de Tupã foi idealizado pelo vereador Valter Moreno Panhossi (PL). A seleção dos “vereadores mirins” era feita a partir dos projetos de leis apresentados pelos candidatos.

Durante um ano como vereador mirim, manteve contato com os Poderes Constituídos (Executivo, Legislativo e Judiciário). “A experiência foi incrível. Participei outra vez do programa e cheguei à presidência do Parlamento Jovem e, isso, me fez ter certeza de que era essa a minha vocação. Conhecer na prática, a mecânica do funcionamento do Legislativo”, afirmou.

Em 2012, aos 21 anos, Caio Pardo Kanji Aoqui (PSDB) foi eleito vereador com 1.099 votos, o segundo mais votado. “A experiência como vereador foi gratificante. Lidar diariamente com a população, ouvindo as reivindicações, conhecendo mais a fundo as dificuldades que os moradores enfrentam, consegui compreender as suas prioridades”.

O DIA A DIA

Caio e o deputado Walter Ioshi, parceria longa

Caio e  Walter Ioshi

O vereador realiza inúmeras ações no seu dia a dia, muitos atendimentos espontâneos. “Uma delas me chamou muita a atenção. Um morador do distrito de Parnaso, o popular “Soró” mostrou-me a precariedade da Unidade de Saúde, com paredes rachadas, infiltração na sala de atendimento odontológico e os funcionários faziam diversos atendimentos em uma única sala”.

Em uma de suas primeiras reuniões com o então deputado federal Walter Ihoshi (PSD) viabilizou recurso para reformar, ampliar e melhorar o atendimento daquela unidade.

- Durante uma visita às obras, antes da inauguração, um senhor que se chamava Estevam, me abraçou e agradeceu. Sem veículo para vir até Tupã, o Postinho era o local onde fazia acompanhamento médico. Infelizmente hoje o senhor Estevam não está mais entre nós, mas sei que essa conquista fez a diferença na vida de várias pessoas.

ELEIÇÕES 2016

Carreata da vitória ao lado de Ricardo Raymundo...

Carreata da vitória. Após 20 anos, Tupã voltava a viver ares de renovação…

...e a posse como o mais novo prefeito de Tupã, após a cassação de Ricardo Raymundo

…e a posse na Câmara, após a cassação de Ricardo

Depois de eleito vereador mirim por duas ocasiões, e chegar à Câmara de Tupã, Caio Aoqui mirava um salto maior na sua carreira e se lançou candidato a vice-prefeito pelo PSD na chapa vitoriosa com José Ricardo Raymundo (PV), em 2016.

Exatos 2 anos e 5 meses depois, precisamente em 29 de maio, Caio foi empossado o mais jovem prefeito de Tupã, aos 28 anos de idade, após a famigerada cassação por ineficiência de Ricardo Raymundo, segundo o Legislativo.

É importante citar essa trajetória para entender o presente de uma sociedade e compreender que a histórica frase “o futuro do país depende dos jovens” é um reflexo daquilo que efetivamente acontece em Tupã.

O meteórico percurso político de Caio Aoqui, que chegou ao poder de uma das principais cidades da região, demonstra o auge de vitórias e, por consequência, resquícios causados naturalmente pelo processo da arte de fazer política.