ANUNCIE AQUI!
16/06/2020

Covid dispara 220% em Tupã após reabertura do comércio

O coronavírus “ganhou” um reforço em Tupã exatamente no momento em que a doença avançou para as cidades do interior paulista. Os números demonstram que a única medida eficaz no combate ao vírus é mesmo o distanciamento social.

No dia da reabertura do comércio - 9 casos confirmados

No dia da reabertura do comércio – 9 casos confirmados

Tupã registrava apenas 9 casos de Covid-19, em 11 de maio, dia da reabertura da economia e, hoje, conta 29 casos confirmados e 2 mortes registradas.

Em apenas 1 mês, o coronavírus disparou 220% no município, verificando os números divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde, no período de 11 de maio a 10 de junho.

É importante lembrar que neste período, a fiscalização tem sido intensa para controlar o fluxo e o distanciamento de pessoas nos estabelecimentos comerciais.

Os proprietários têm disponibilizado álcool em gel e desinfetado o ambiente, enquanto o município monta periodicamente barreiras sanitárias na entrada da cidade e monitora pessoas com sintomas de Covid-19.

1 mês depois, de 9 para 29 casos da doença - um salto de 220%

1 mês depois, de 9 para 29 casos da doença – um salto de 220%

Exemplo dessas providências foi a mais recente decisão do prefeito Caio Aoqui, de impedir que o comércio funcionasse no feriado de Corpus Christi, dia 11, e estendeu uma quarentena até domingo (14).

Somente na sexta-feira (12) e no sábado (13) é que os serviços essenciais voltaram a desenvolver suas atividades.

A verdade é que a flexibilização depois de iniciada praticamente não tem volta, apenas algumas medidas paliativas vão sendo adotadas de acordo com o índice de ocupação de leitos nos hospitais da cidade, que recebem também pacientes da microrregião.

Por outro lado, centros maiores, no Sul e na região Centro-Oeste do país, onde a pandemia começa ganhar velocidade e, até mesmo, municípios do Sudeste (Minas Gerais e São Paulo) têm regredido na flexibilização das atividades econômicas, após a constatação de um número elevado de infectados após a reabertura econômica.

Leia também: E DAÍ? Quem abrir, vai fechar